Você está passando pelo processo de decisão ou efetivação da compra de uma casa ou apartamento? Então, com certeza já se deparou ou vai se deparar com a seguinte questão: qual é o melhor tipo de financiamento de imóvel?

A resposta para essa pergunta é: depende! Não existe uma receita pronta. O melhor tipo de financiamento é o que está mais de acordo com a sua situação. E é extremamente importante pensar com atenção sobre esse assunto! Afinal, trata-se de um investimento grande e que pode continuar gerando impactos em sua vida financeira durante alguns bons anos.

Mas calma que a gente vai te ajudar! No artigo de hoje, explicamos quais são os tipos de financiamento de imóvel possíveis no Brasil e em qual caso cada um se encaixa melhor. Continue a leitura e saiba como tomar a melhor decisão!

Financiamento de imóvel: quais são os tipos existentes?

O financiamento imobiliário se trata de um empréstimo feito pelo banco à pessoa que deseja comprar um terreno, uma casa, um apartamento, dentre outros. Assim, o pagamento é feito à vista para o vendedor do imóvel, mas você deve retornar essa quantia ao banco ao longo do tempo.

Essa devolução é feita através de prestações, que são compostas por amortização e juros. A amortização se trata do próprio dinheiro do empréstimo que você está devolvendo ao banco. Já o juros é o valor cobrado em cima desse empréstimo por conta do contrato que você fechou com a instituição financeira, e é calculado sobre a quantia que você ainda precisa devolver.

Saber o que são as prestações é a parte mais importante para que você consiga entender os três tipos de financiamento de imóvel existentes no Brasil. E agora que nós já passamos por essa fase, vamos descobrir quais são as diferenças entre cada um deles?

Price

O sistema Price é muito utilizado fora do Brasil. A ideia é que as prestações continuem as mesmas ao longo de todo o período de pagamento do financiamento imobiliário, e isso acontece da seguinte forma: os juros decrescem ao longo do tempo e as amortizações aumentam.

Assim, na primeira prestação o valor do juros é o mais alto de todo o período de pagamento e o da amortização é o mais baixo, e essa situação se inverte na última prestação, quando o valor da amortização é o maior, enquanto o do juros é o menor. Enquanto a quantia referente ao juros diminui e a relacionada à amortização aumenta, os dois valores se compensam e a prestação pode permanecer a mesma.

Porém, no Brasil esse sistema teve que ser adaptado devido às altas taxas de inflação. Sendo assim, as prestações não são fixas e variam de acordo com o aumento dos preços. Para fazer esse cálculo são adotados indicadores, como a Taxa Referencial (TR), que está entre as mais utilizadas. Ela é um indicador divulgado após o fechamento do contrato de financiamento imobiliário e serve para reajustar as prestações e a quantia que o comprador ainda deve.

É aí que está o grande problema: se o seu salário não é ajustado na mesma proporção que o sugerido pela TR, é provável que você vá sofrer prejuízos com o aumento das prestações ao longo do tempo.

SAC

O Sistema de Amortizações Constantes, conhecido como SAC, mantém o mesmo valor referente às amortizações durante todo o período de pagamento do financiamento de imóvel, enquanto o valor dos juros é diminuído ao longo do tempo.

Assim, nesse sistema você irá pagar prestações mais altas no início do período, a dívida é quitada de forma mais rápida e os juros são menores. Como o valor das prestações é cada vez menor, você pode ter um pouco mais de segurança em relação à finalização do pagamento.

O SAC é uma boa opção caso você tenha condições de arcar com as parcelas mais altas no início do pagamento do financiamento. Com a diminuição das prestações, o impacto em sua vida financeira é cada vez menor com o passar do tempo.

Sacre

Por último, vamos falar sobre o Sistema de Amortização Crescente (Sacre), que é o mais praticado no Brasil. Ele é uma mistura dos dois sistemas que nós já citamos, o Price e o SAC, e o benefício é que as prestações também vão diminuindo ao longo do tempo.

Funciona assim: as prestações vão aumentando durante um período até chegarem a um ponto máximo. A partir disso, elas começam a diminuir. Apesar da prestação inicial nesse tipo de sistema ser muito alta, se você pensar a longo prazo pode ser uma boa opção por conta da diminuição da parcela.

Também é importante saber que quando você faz um financiamento imobiliário pelo Sacre, é provável que ele será reajustado pela TR.

Como escolher a melhor opção?

É claro que é fundamental que você entenda quais são as opções possíveis para você financiar um imóvel. Mas, para ter uma negociação realmente eficiente, segura e que atenda às suas necessidades, é fundamental contar com a ajuda de um profissional do ramo imobiliário.

Muitas pessoas acreditam que os corretores ajudam apenas na escolha do imóvel ideal. Mas esses profissionais são fundamentais para te orientarem na melhor forma de você investir o seu dinheiro e em uma negociação justa!

Contando com o apoio de uma imobiliária no processo de compra de um imóvel, você terá corretores e advogados para te auxiliar. Então, não deixe de procurar a que melhor atenda ao que você precisa.

E agora, já está pensando sobre qual é o melhor tipo de financiamento de imóvel para o seu caso? Então, que tal já começar a pensar nos próximos passos? Confira 5 condomínios em Lagoa Santa para você morar!

Deixe seu comentário